Coronavírus e a segurança alimentar

18/março
Anvisa, Segurança Alimentar, Vigilância Sanitária

Qual a importância com a manipulação de alimentos e a segurança alimentar? Acompanhe este artigo e veja quais cuidados são necessários.

Mesmo antes de ser definido como pandemia pela Organização Mundial de Saúde (OMS), o mundo todo já demonstrava preocupação com a proliferação do novo Coronavírus.

Entidades governamentais trataram de levar informações ao público, a fim de ajudar na prevenção da doença COVID – 19, com orientações sobre higiene e quarentena voluntária.

Em casos mais extremos, países fecharam suas fronteiras e limitaram a entrada e saída de pessoas, principalmente vindas de países onde o foco da doença é maior.

Em meio a tudo isso, qual a importância com a manipulação de alimentos e a segurança alimentar? Acompanhe este artigo e veja quais cuidados são necessários.

Como ocorre a transmissão do vírus?

O novo Coronavírus é de fácil transmissão e ocorre através de secreções da boca ou nariz que são espalhadas quando a pessoa contaminada tosse ou espirra sem se proteger corretamente.

São gotículas dessas secreções que contaminam as mãos, quando você toca em superfícies não higienizadas ou pega na mão de alguém que não teve o devido cuidado ao tossir ou espirrar.

Quando você toca no seu rosto, principalmente boca, nariz e olhos, sem ter lavado as mãos, corre o risco de levar o vírus ao seu organismo.

 

Alimentos oferecem risco de contaminação?

Atualmente não há histórico de infecções respiratórias causadas por vírus transmitidos através de alimentos. O mesmo acontece com o novo Coronavírus.

O alimento em si, não provoca a contaminação, mas a forma como foi manipulado, caso não tenha sido higienizado ou condicionado da forma correta, pode ajudar na propagação do vírus.

Em um supermercado, por exemplo, é bastante comum que as pessoas toquem em tudo: frutas, legumes, embalagens etc. O cuidado que deve ser tomado é não levar as mãos ao rosto, antes de lavá-las corretamente, depois de também ter tocado nesses alimentos.

É seguro comer em lanchonetes e restaurantes?

Se os alimentos foram cozidos ou refrigerados da forma correta, não é preciso se preocupar com a contaminação dos alimentos, pois o vírus morre em temperaturas extremas.

Porém, após o preparo, é importante ter atenção com a manipulação da comida e da higienização de quem está servindo e dos utensílios utilizados no serviço.

Além disso, o risco maior ao frequentar esses estabelecimentos é na interação com outras pessoas. Ficar muito próximo, em ambientes com muita aglomeração pode facilitar a transmissão do vírus.

Cuidados com a manipulação de alimentos em casa

Ao chegar da feira ou do supermercado, é preciso lavar as mãos imediatamente, pincipalmente antes de manipular os alimentos. Legumes e verduras devem ser higienizados corretamente e separados das carnes. Carnes e ovos devem ser bem cozidos.

Sempre que pegar nas embalagens de alimentos industrializados, lave suas mãos, pois o vírus pode estar nesses pacotes. Também é importante manter as superfícies onde você corta os alimentos sempre limpas.

Caso alguém apresente sintomas da COVID – 19 ou tenha a confirmação da doença, não é adequado preparar alimentos para pessoas saudáveis, porém, em caso de extrema necessidade, é necessário usar máscara enquanto cozinha, lembrando sempre de lavar as mãos.

É realmente necessário estocar alimentos?

Muitas pessoas pensam que estocar alimentos em casa é uma forma de evitar contato com aglomerações, principalmente nos supermercados. Porém, pensar com consciência coletiva também é importante, inclusive com a relação a máscaras e até álcool em gel.

A corrida aos mercados em busca de alimentos pode fazer com que falte para outras pessoas que estejam realmente precisando naquele momento. Além disso, comprar uma quantidade grande de comida pode gerar desperdício, principalmente se o alimento tiver um prazo de validade curto.

Se você compra álcool e máscaras além do que realmente precisa, está impedindo que outras pessoas também se protejam, consequentemente, ficarão mais expostas ao vírus e, isso também representa perigo para sua saúde.

Cuidado com as fake news sobre alimentos

Tem se tornado cada dia mais comum a propagação de notícias sobre superalimentos que prometem prevenir ou até por um fim à doença COVID – 19. Sobre isso, o Conselho Federal de Nutricionistas (CFN), recomenda muita atenção e que informações sobre cuidados alimentares devem vir de fontes confiáveis.

Notícias falsas são publicadas a todo momento em redes sociais, sugerindo alimentos, shots milagrosos e o consumo de vitaminas, antioxidiantes e outros compostos que fortalecem o sistema imunológico e podem combater o vírus. Porém, não há comprovação científica sobre essas fórmulas milagrosas.

É claro que, se você tiver um histórico de alimentação saudável e cuidados com sua saúde, suas chances de sentir sintomas mais leves da doença são maiores. Porém, começar de repente a ingerir determinados alimentos e vitaminas, principalmente sem ter a orientação de um médico ou nutricionista, pode causar algum outro problema de saúde.

O CFN recomenda que as pessoas sigam as medidas de proteção já divulgadas pela OMS e entidades nacionais e que fujam de promessas milagrosas, procurando fontes de informações confiáveis, como o Guia Alimentar para a População Brasileira, elaborado pelo Ministério da Saúde.

 

Melhor forma de se proteger contra o novo Coronavírus

Em todo o mundo, o ponto mais reforçado no que diz respeito ao Coronavírus, é a prevenção. Veja agora o que você deve fazer para evitar contaminação ou transmissão a outras pessoas:

– Lave sempre as mãos com água e sabão ou higienize com álcool em gel 70%;

– Limpe com álcool 70% as superfícies de objetos que você usa com frequência, como celulares;

– Evite tocar nos olhos, nariz ou boca, antes de lavar as mãos;

– Proteja o rosto com a parte interna do braço quando for tossir ou espirrar;

– Mantenha distância de pelo menos um metro das pessoas;

– Evite contato com aglomerações, o melhor é ficar em casa o máximo possível.

Se cada um fizer sua parte, teremos menos casos da doença e passaremos por esta fase com menos dificuldade.