Para que serve a análise de alimentos

3/março
Anvisa

A análise de alimentos permite que nas diversas etapas de sua produção haja garantias de que o produto é seguro para consumo.

Análise de alimentos para validar procedimentos

 

É preciso ter níveis aceitáveis de micro-organismos que não sejam um risco à saúde dos consumidores. Portanto, o objetivo é evitar a propagação de doenças, intoxicações alimentares e surtos de infecções.

 

Os fabricantes de alimentos precisam seguir normas federais para evitar esses problemas.

 

Por isso, existem testes em laboratórios voltados para a análise de alimentos. Para entender melhor o assunto, continue lendo!

 

 

Para que serve a análise de alimentos?

 

A análise de alimentos tem por objetivo garantir a qualidade e a segurança dos consumidores. Está inserida, portanto, em um contexto de saúde pública.

 

Existem regulamentos que procuram assegurar essa qualidade e promover sua saudável comercialização pelos estabelecimentos alimentícios.

 

Além disso, os consumidores devem estar informados sobre a composição nutricional dos mesmos.

 

Nas normas governamentais há diversos padrões que devem ser seguidos quanto à composição, inspeção, rotulagem, conservação e outros.

 

Ainda, a comercialização de produtos pela indústria alimentícia precisa transmitir informações verídicas e não podem omitir ou falsificar dados com o objetivo de conseguir vantagens econômicas.

 

Dessa forma, a análise de alimentos também atua para prevenir fraudes. Inclusive, há testes analíticos que verificam a autenticidade dos produtos.

 

Outro ponto importante é que existe um controle sanitário que é de responsabilidade de diversos órgãos, principalmente a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

 

 

 

 

 

Análise de alimentos: principais métodos

 

Por meio de testes em laboratório, é possível detectar se os produtos alimentícios estão de acordo com as exigências para o setor.

 

Dessa forma, a análise de alimentos fornece informações analíticas relacionadas à qualidade e ao devido controle.

 

Então, identifica-se se há agentes contaminantes em diferentes etapas da produção, até que o alimento esteja disponível para comercialização e consumo.

 

A intenção é que haja inspeção de níveis aceitáveis de microorganismos para evitar intoxicações alimentares e doenças relacionadas.

 

Alguns desses testes são:

Análise microbiológica

 

A análise microbiológica tem por objetivo verificar a presença de micro-organismos nos alimentos e atestar a segurança dos mesmos.

 

Ela identifica se há bactérias, fungos, leveduras ou parasitas que possam proporcionar riscos à saúde.

Ensaios químicos

 

Os ensaios químicos analisam fatores ligados à quantidade de componentes químicos, além da verificação do pH, da presença de aditivos, corantes, conservantes e contaminantes.

Métodos nutricionais

 

Esse método de análise de alimentos faz uma verificação dos componentes nutricionais. Ele avalia informações que devem estar presentes nos rótulos da embalagem e sua adequação às normas.

 

 

 

 

 

Tipos mais comuns de intoxicação por alimentos

 

São casos comuns de intoxicação alimentar os alimentos relacionados a carnes bovinas, de frango, maionese e queijos. Então, confira abaixo algumas das bactérias que costumar causar doenças:

 

Salmonella

 

As doenças causadas pela bactéria salmonella são comumente associadas ao frango, à maionese e ao ovo. Porém, outros alimentos são suscetíveis a esse tipo de infestação.

 

Alguns exemplos são mamão, melancia, leite e até mesmo castanhas, se não houver uma adequada higienização.

 

A proliferação da bactéria acontece após a ingestão de alimentos ou água contaminados. Além de lavar corretamente os alimentos, é importante também lavar sempre as mãos antes de consumi-los.

 

A doença causadas pela salmonella se classificam como salmonelose não tifoide e febre tifoide, sendo que essa última pode levar à morte.

 

Por evitar isso, existem temperaturas ideais de conservação, refrigeração e de cozimento dos alimentos.

Listeria monocytogenes

 

A análise de alimentos também verifica a presença da Listeria monocytogenes. Ela pode causar infecções que também levam à morte. A bactéria pode se infiltrar na corrente sanguínea e atingir o sistema nervoso, o que causa meningite.

 

A Listeria monocytogenes pode ser encontrada em leite não pasteurizado, frutos do mar, queijos e vegetais. Além disso, é difícil eliminá-las de um estabelecimento alimentício, pois a bactéria é muito resistente.

 

Por exemplo, ela pode se alojar nos pisos, então é importante que os calçados estejam sempre limpos nesses locais. Principalmente se há manipulação de alimentos. E também deve ser feita a limpeza e desinfecção de modo regular.

 

Os ralos são locais onde a bactéria costuma estar presente também. Por isso, eles devem ser instalados e sanitizados adequadamente.

 

A Listeria monocytogenes também pode se alojar em equipamentos e nos sistemas de refrigeração, em especial nas proximidades do ventilador que garante a circulação do ar.

Escherichia coli

 

A Escherichia coli (E. coli) é outra bactéria que é alvo da análise de alimentos. Ela pode causar contaminação se os alimentos não forem bem lavados ou se não são mantidos em temperaturas seguras.

 

A bactéria existe naturalmente no intestino dos seres humanos e dos animais. Quando ela é transmitida por alimentos, porém, pode ser bem nociva.

 

Ela produz toxinas que causam cólicas e dores abdominais. Em alguns casos, provocam diarreia com a presença de sangue.

 

Em geral, os infectados se recuperam em 10 dias se devidamente tratados, mas idosos são mais suscetíveis e podem ter complicações maiores.

 

Para finalizar, vimos por que a análise de alimentos é importante. Estar sempre de acordo com as boas práticas de segurança dos alimentos contribui bastante para evitar intoxicações.

Para ter uma assessoria completa da análise de procedimentos alimentícios em seu estabelecimento, entre em contato com a Controlare!

11 3828-2400 – 11 3828-0808
controlare@controlare.com.br

 

Leia também: A diferença entre Manual de Boas Práticas e POPs